Novos dados oficiais sobre o estado da língua catalã – Relatório 2021

Dados mostram que a presença da língua catalã é consideravelmente baixa em diversos âmbitos dos Países Catalães

A Plataforma per la Llengua divulgou novos dados oficiais sobre o estado da língua catalã. Entre as 50 conclusões reunidas no relatório da ONG, uma delas é muito preocupante: apenas 32,4% dos habitantes dos Países Catalães (área relacionada aos territórios de língua e cultura catalãs, como o Principado da Catalunha, País Valenciano, Alguer, Andorra entre outros) usam o catalão de maneira habitual. Além disso, a entidade constatou que 8 de cada 10 catalães trocam de língua quando alguém lhes fala em espanhol. Entre os alegados motivos para a troca, estão o “respeito” e a “educação.

Por outro lado, 72,6% dos habitantes de Andorra (único território dos Países Catalães cuja única língua oficial é o catalão) costumam iniciar as conversas nessa língua. No território de La Franja de Ponent (área que engloba os municípios de Aragão em que os habitantes falam catalão), 89,2% dos falantes ensinam a língua catalã aos seus descendentes.

Vale a pena ler: Manifestação em Perpinyà a favor de abertura de centro de ensino em catalão

Mais dados do Relatório 2021 sobre a língua catalã

De acordo com o relatório da Plataforma per la Llengua, um dos dados positivos sobre as atuais condições da língua catalã é o aumento da criação de conteúdo audiovisual nessa língua: precisamente, a ONG relata haver mais de 500 criadores de conteúdos em catalão. Por outro lado, a entidade lamenta a “falta de ação” por parte do governo da Catalunha sobre a legislação relacionada ao cinema. Segundo a ONG, essa lei foi “descumprida” ao longo da última década.

Editorial relacionado: Quando o governo da Catalunha dedica pouco tempo à língua catalã

A atual situação política na Catalunha também foi um ponto abordado no relatório. Conforme a ONG explica no documento, apenas 1 de cada 3 falantes de catalão acredita que o governo da Catalunha trabalha mais pela língua catalã agora do que antes do início do processo independentista (iniciado em 2010, após decisões do Tribunal Constitucional da Espanha que impuseram diversas restrições ao Estatuto de Autonomia do governo da Catalunha, aprovado em 2006).

Uso da língua catalã em Barcelona

A capital da Catalunha ilustra uma das páginas mais preocupantes do relatório da Plataforma per la Llengua. De acordo com as informações divulgadas, 26% dos habitantes de Barcelona nunca falam em catalão. Ainda em relação à capital catalã, 53,1% dos cidadãos de Barcelona falam “pouco” ou “nada” em catalão. Finalmente, apenas 29,9% dos moradores de Barcelona usam o catalão de maneira bastante frequente.

Vale a pena ler: Falar catalão é o quarto motivo de discriminação na cidade de Barcelona

A língua catalã nos diversos setores sociais dos Países Catalães

O relatório produzido pela Plataforma per la Llengua mostra como a língua catalã está presente em diferentes setores sociais dos Países Catalães. Em relação à Catalunha Norte, por exemplo, a ONG destaca os 40 anos de presença da língua catalã na principal rádio do território, a Ràdio Arrels (essa rádio pode ser ouvida no portal Aqui Catalunha, basta acessar este endereço).

Sobre os setores de comércio e empresas, a Plataforma per la Llengua critica o baixo número de sanções impostas pelo governo catalão contra comércios da Catalunha que não utilizavam a língua catalã em seus serviços. Concretamente, a ONG lamenta que “apenas” 87 comércios tenham sido sancionados. Segundo a entidade, a Agência Catalã do Consumo (organismo autônomo do governo catalão, adscrito ao Departamento de Empresa e Conhecimento) puniu 790 estabelecimentos por diferentes tipos de práticas ilegais no ano de 2020. Entretanto, a ONG afirma que o baixo número de sanções relacionadas às “vulnerações dos direitos linguísticos” é “uma surpresa”.

Língua catalã na rotulação de produtos

O catalão possui um nível muito baixo de presença na etiquetagem de produtos. Mais especificamente, a Plataforma per la Llengua relata que 9 de cada 10 produtos infringem a normativa da Catalunha que obriga o uso da língua catalã na rotulação de produtos. Em outras palavras, apenas 10,6% dos produtos possuem rótulos com instruções e descrições em catalão.

Conforme as informações apresentadas no relatório, o Parlamento da Catalunha aprovou, em 1993, uma lei que assegurava a todos os catalães o direito de “receber em catalão as informações pertinentes para o consumo e uso de bens, produtos e serviços, bem como os dados relacionados à saúde e segurança”. Em 2010, o Código de Consumo aprovado pela Câmara catalã estabeleceu um “regime sancionador” contra estabelecimentos que desrespeitassem esse direito linguístico.

Por outro lado, o relatório informa que mais de 60 empresas do Principado da Catalunha, Ilhas Baleares, País Valenciano e Alguer participam do programa “Produto Linguisticamente Responsável“. Concretamente, os produtos rotulados em catalão ganham um selo de responsabilidade linguística. O objetivo desse selo é “apoiar os produtores que respeitam a língua oficial e própria dos territórios catalães” (nesse caso, se a empresa for uma produtora). As empresas que não são produtoras (por exemplo, as que oferecem serviços) também podem fazer parte do programa.

Língua catalã na Educação

Barcelona volta a ser um destaque negativo no relatório da Plataforma per la Llengua. Segundo o relatório, apenas 53,3% dos cidadãos de entre 15 e 34 anos possuem boa competência em língua catalã. Porém, o desempenho em outras línguas, como espanhol e inglês, é amplamente superior: 92,1% dos cidadãos dessa mesma faixa etária declaram ser bem competentes na língua espanhola, e 58,5% apresentam bom domínio da língua inglesa.

Nos centros educativos, os conhecimentos de língua catalã são inferiores aos de língua espanhola. Mais especificamente, a ONG revela que estudantes do quarto ano da ESO (Educação Secundária Obrigatória, correspondente à faixa etária dos 12 aos 16 anos) possuem mais conhecimentos de espanhol do que de catalão, e que essa é uma realidade em todas as regiões educativas da Catalunha.

Vale a pena ler: Plataforma per la Llengua ativa plano para aumentar o uso do catalão entre jovens

Uso do catalão nos órgãos jurídicos

O uso da língua catalã nos âmbitos judiciais também apresenta dados negativos. No País Valenciano, por exemplo, apenas 1 de 214 órgãos jurídicos funciona em catalão de maneira habitual. O ensino de Direito, por sua vez, tem baixa presença nas aulas universitárias do Principado da Catalunha (41,2%), Ilhas Baleares (21,1%) e País Valenciano (19,8%).

Em relação às sentenças judiciais na Catalunha, apenas 7,4% são escritas em língua catalã. Trata-se do menor percentual dos últimos 15 anos.

Vale a pena ler: Advogada diz que usar o catalão em um processo judicial é “falta de respeito”

Presença da língua catalã nos meios eletrônicos

A situação da língua catalã nos meios eletrônicos tem dados positivos e negativos. Os navegadores de Internet mais utilizados no mundo, por exemplo, possuem versão em catalão. Por outro lado, a respeito do uso da língua própria da Catalunha, apenas 55% dos jogos desenvolvidos na Catalunha e 11% dos que são desenvolvidos no País Valenciano possuem versão em língua catalã. Os consoles de jogos mais vendidos nos territórios de língua catalã, por sua vez, não incluem o catalão em sua interface.

As plataformas de redes sociais e de música, porém, têm números melhores. Todas as equipes de futebol do País Valenciano já possuem uma conta em catalão no Twitter. A plataforma Spotify, no início deste ano, estreou uma lista própria de músicas exclusivamente em língua catalã. No Tik Tok, plataforma para vídeos curtos, a comunidade falante de língua catalã conseguiu mais de 300 milhões de visualizações.

O futuro da língua catalã

O relatório publicado pela Plataforma per la Llengua também inclui uma percepção dos cidadãos sobre o futuro da língua catalã. Os dados informam que 80,9% dos habitantes da Catalunha acreditam que a língua catalã continuará existindo daqui a 100 anos.

Para o presidente da entidade, Òscar Escuder, a existência da língua por si mesma “não quer dizer nada enquanto seu uso não for normalizado”. Além disso, ele deseja que “entidades como Plataforma per la Llengua não sejam necessárias daqui a 100 anos”.

CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Cadastre-se para receber as novidades do Aqui Catalunha