Junqueras usa o independentismo catalão para falar da guerra entre Ucrânia e Rússia

Oriol Junqueras voltou a defender a mesa de diálogo entre os governos da Catalunha e da Espanha, e a contextualizou em relação à guerra entre Ucrânia e Rússia

Nessa sexta-feira, o presidente do partido independentista Esquerra Republicana de Catalunya (ERC), Oriol Junqueras, usou o independentismo catalão para falar da guerra entre Ucrânia e Rússia.

Vale a pena ler: Pere Aragonès se pronuncia sobre as consequências da guerra na Ucrânia para a Catalunha

Na coletiva de imprensa, que também contou com a participação de Arnaldo Otegi, coordenador geral da coalizão basca EH Bildu, Oriol Junqueras enfatizou a “importância” das mesas de diálogo, em alusão à mesa de diálogo entre os governos da Catalunha e da Espanha, que teria, a princípio, o objetivo de solucionar o conflito político.

Entretanto, o diálogo entre os dois governos parece estar muito longe de encontrar uma solução para o conflito. A parte catalã reivindica que o Estado espanhol conceda anistia aos líderes políticos e civis catalães penalizados pela Justiça espanhola, e que seja realizado um referendo de autodeterminação pactado. Porém, o governo espanhol rechaça as propostas do governo da Catalunha.

Vale a pena ler: Aniversário de 4 anos do anúncio oficial do referendo de autodeterminação

Para Junqueras, que defende a estratégia de ERC de manter a mesa de diálogo com o governo espanhol, a Ucrânia, “se tivesse a oportunidade, também se sentaria à mesa de negociações” com a Rússia. Além disso, o líder do partido catalão comparou a atuação de grupos políticos espanhóis com a do governo russo, afirmando que, “em muitos países, o autoritarismo e a corrupção caminham lado a lado, também em algumas formações políticas do Estado espanhol“.

“Trabalhar em sintonia com a comunidade internacional”

Em relação ao movimento independentista catalão, Oriol Junqueras voltou a defender que renunciar à negociação “não faria sentido”. Assim, o líder republicano disse que é preciso “trabalhar em sintonia com a comunidade internacional”. Segundo Junqueras, a comunidade internacional está “disposta a nos acompanhar” nesse processo de negociação.

CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Cadastre-se para receber as novidades do Aqui Catalunha