Borrell critica perguntas de jornalista inglês sobre a Catalunha

Na manhã desta quarta-feira, corria pelas redes sociais a mais recente entrevista concedida por Josep Borrell, Ministro de Relações Exteriores do governo espanhol. Borrell foi entrevistado por Tim Sebastian, jornalista inglês que já trabalhou como correspondente da BBC, recebeu diversos prêmios no Reino Unido por seu trabalho, e dirige, hoje, o programa de entrevistas internacional Conflict Zone, da alemã Deutsche Welle. O Ministro criticou o tom das perguntas de Sebastian, e interrompeu a entrevista quando perguntado pela situação dos presos políticos catalães, e sobre uma possível reforma constitucional espanhola.

Notícia relacionada: Senadores franceses solidários com a Catalunha denunciam ‘pressões diplomáticas muito fortes’

Perguntas e comentários sobre Carme Forcadell e os demais presos políticos

Tim Sebastian: No ano passado, uma mulher chamada Carme Forcadell, presidente do Parlamento catalão que foi detida e acusada de rebelião, disse em uma entrevista que passava quinze horas por dia em confinamento solitário em uma cela.

Josep Borrell: É uma decisão judicial para mantê-los sob controle, e evitar que fujam da justiça, com alguns fizeram.

Tim Sebastian: Uma senhora de sessenta anos que não foi condenada por nada, em uma prisão…

Josep Borrell: Por que diz “nada”?

Tim Sebastian: Tem presunção de inocência.

Josep Borrell: Todos em prisão preventiva têm. Na Suécia, 30% dos presos estão em prisão preventiva.

Tim Sebastian: É difícil não ver essa prisão como a ação de um Estado vingativo para castigar os acusados, que deveriam exercer a presunção de inocência.

Josep Borrell: Tem presunção de inocência, mas a prisão preventiva não tem nada a ver com presunção de inocência.

Tim Sebastian: Há uma gravação em que o senhor diz que gostaria que aqueles em prisão preventiva estivessem em liberdade. O senhor disse isso em uma entrevista do ano passado.

Josep Borrell: O que eu disse exatamente foi que preferiria que o juiz tivesse encontrado outra maneira de impedir que eles escapassem da ação da justiça.

Tim Sebastian: O senhor disse que existem outros métodos que poderiam ter sido utilizados. Portanto, era um tratamento injusto, de acordo com seu ponto de vista.

Josep Borrell: Não.

Tim Sebastian: Não?

Josep Borrell: Não.

Tim Sebastian: Não preferiria que estivessem em liberdade antes do julgamento?

Josep Borrell: Não, não. Não me faça dizer coisas que eu não disse.

Tim Sebastian: A Anistia Internacional diz que o uso da prisão preventiva só é justificado quando não há medidas alternativas que protejam os interesses da justiça. O senhor disse que havia medidas alternativas, ou seja, que é injusto.

Josep Borrell: Bom, se o juiz decidiu implantar essa medida, foi porque acreditou que deveria implantar. Não tomarei decisões que tocam ao juiz. Na Espanha, os juízes são independentes e tomam decisões por si mesmos.

Tim Sebastian: Entendo.

Josep Borrell: Talvez se o senhor Puigdemont não tivesse escapado, o juiz tivesse tomado outro tipo de decisão. O senhor sabia que Puigdemont e outros escaparam?

Tim Sebastian: São poucas as pessoas neste planeta que não sabem.

Josep Borrell: Então, explique.

Tim Sebastian: O senhor diz que os tribunais são independentes, mas o seu papel não é fechar os olhos quando há sérias dúvidas sobre a maneira como funciona seu sistema judicial. Não é [independente] porque seu governo chegou ao poder prometendo transformar e modernizar a Espanha. Tenho a impressão de que manter gente trancada em isolamento por quinze horas por dia…

Josep Borrell: O que quer dizer com “isolada”?

Tim Sebastian: Em confinamento solitário. Um senhora de 63 anos, sem ter sido condenada.

Josep Borrell: Perdão, o que quer dizer com “sem ter sido condenada”? O senhor sabe alguma coisa sobre a condenação desse caso? Começo a pensar que o senhor não sabe de nada.

Tim Sebastian: Não foi condenada. Foi acusada, mas não condenada.

Josep Borrell: Bom… Realmente… Chega. Se o senhor continuar assim, paro a entrevista. Entendeu? Se continuarmos assim, paro. Não me interrogue. Me entreviste.

Tim Sebastian: Sim, o que tento fazer…

Josep Borrell: Não, não, não. O senhor não é um policial! Não estou aqui para ser interrogado!

Tim Sebastian: Eu entendo.

Josep Borrell: Faça perguntas adequadas e me deixe falar. Caso contrário, paro a entrevista. Vamos começar de novo!

Mais críticas de Josep Borrell e resposta de Tim Sebastian

Tim Sebastian: Por que não haver um debate sobre a Constituição e os artigos constituintes, que poderia discutir aquelas partes que proíbem a independência de regiões espanholas?

Josep Borrell: Eles poderiam ter feito isso. Poderiam ter ido ao Congresso [espanhol] com uma proposta de reforma constitucional, como os bascos fizeram. Mas eles não apresentaram.

Tim Sebastian: Por que o senhor não fez isso? Não tem interesse em reformar a Constituição?

Josep Borrell: Quem está pedindo isso?

Tim Sebastian: 70% dos espanhóis querem uma reforma constitucional…

Josep Borrell: Não, não, não…

Tim Sebastian: … de acordo com o Centro de Investigação Sociológica.

Josep Borrell: Pare.

Tim Sebastian: 70%.

Josep Borrell: Continua mentindo.

Tim Sebastian: O Centro de Investigação Sociológica disse que 70% dos espanhóis querem uma reforma de algum tipo.

Josep Borrell: Sobre o quê?

Tim Sebastian: De algum tipo.

Josep Borrell: Pare a gravação. Pare de gravar.

Tim Sebastian: Por quê

Josep Borrell: Terminou. Não, não, terminou. Não quero mais.

Em relação ao combate à corrupção, Josep Borrell diz que “Fazemos o que podemos”. Em seguida, Tim Sebastian pergunta:

Tim Sebastian: Mas poderia fazer mais?

Josep Borrell: Claro. O senhor também. Poderia fazer melhores entrevistas.

Após o jornalista agradecer a presença do líder político, Borrell lhe responde: “Obrigado ao senhor, mas da próxima vez, agradecerei se fizer perguntas menos tendenciosas”. Tim Sebastian rebateu: “Não estou aqui para fazer apenas as perguntas que o senhor quer, Ministro”.

Nosaltres no ens aixequem mai d'una taula, ni per negociar ni per respondre les preguntes d'un periodista.

Posted by Alfred Bosch on Thursday, March 28, 2019

Os 70% mencionados por Tim Sebastian

Josep Borrell afirmou que o jornalista mentia sobre os “70% dos espanhóis que querem uma reforma constitucional”. Tim Sebastian, porém, apresentou dados do Centro de Investigação Sociológica (CIS), um instituto de investigação sociológica com sede em Madrid. Nesta quinta-feira, o jornal La Vanguardia, como outros, explicou que o dado mencionado por Tim Sebastian não é uma mentira. O jornalista inglês, porém, não especificou que tipo de reforma desejam os “70% dos espanhóis”. A pesquisa feita pelo CIS está ligada a diferentes temáticas sociais.

O Ministro de Relações Exteriores do governo espanhol, porém, preferiu intimidar e atacar a exposição de dados do jornalista, e não explicou o que, precisamente, desejam os “70% dos espanhóis que desejam uma reforma constitucional”.

 


Participe do financiamento coletivo do portal Aqui Catalunha

O Aqui Catalunha é o primeiro jornal brasileiro exclusivamente dedicado à Catalunha. O trabalho diário com pesquisas e publicações é exigente, e a única fonte financeira deste jornal é a base de leitores que participam do financiamento coletivo. Com a sua colaboração, o Aqui Catalunha fará mais e melhor pela informação sobre a Catalunha, exclusivamente para os leitores de língua portuguesa. Saiba, aqui, como colaborar. O Aqui Catalunha acredita que leitores vanguardistas merecem um jornal de vanguarda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *